Explicando a SIDA aos mais pequenos



O filho de um amigo meu com 6 anos perguntou-me o que era isso da SIDA. Fiquei pensativa... Como explicar por palavras simples a uma criança pequena algo tão complexo como a infecção VIH/SIDA. De repente recordei-me de uns desenhos animados da minha infância chamados “Era uma vez a vida” ... e respondi-lhe:
Dentro do nosso corpo existem policias (CD4) que são responsáveis pela defesa do nosso organismo. De vez enquando entram no nosso corpo uns bandidos (que podem ser vírus, bactérias, parasitas ou fungos) e andam à luta com os polícias. Um desses bandidos é um vírus chamado VIH, ele pode entrar dentro do nosso corpo de várias maneiras, e após a sua entrada começa a fazer estragos e a destruir tudo por onde passa.
Quando o nosso organismo fica muito debilitado dizemos que entrou em fase de SIDA ou seja os bandidos estão a conseguir vencer a polícia.
Os nossos polícias são muito fortes e tentam de todas as maneiras matar o bandido VIH só que ele é muito esperto e consegue escapar, esconder-se e reproduzir-se. Enquanto a nossa polícia anda preocupada atrás do VIH outros bandidos aproveitam-se disso e começam também eles a fazer estragos na nossa saúde são as chamadas doenças oportunistas... Com tantos ataques o organismo adoece gravemente e a pessoa pode morrer.
-E não há comprimidos para matar o VIH?
- Os comprimidos não conseguem matar todos os bandidos mas conseguem mantê-los mais ou menos controlados e permitem que os nossos polícias recuperem as forças para continuar a batalha.
-E como é que o VIH entra no nosso corpo?
O VIH é um bandido muito particular, ele só entra dentro do organismo quando entramos em contacto com sangue infectado, através de relações sexuais sem protecção e de uma mãe infectada para o bebé. Não existe mais nenhuma forma de contágio por isso podes conviver no dia-a-dia com outras pessoas infectadas, brincar com elas, dar-lhes beijinhos, almoçar com elas, nadar na piscina... não há problema.
No teu dia-a-dia apenas tens de ter o cuidado de não tocar em sangue de outras pessoas. Se vires por exemplo um colega da escola a sangrar deves chamar de imediato um adulto e não tocar no sangue sem luvas.
-E existem meninos e meninas com o VIH?
-Existem sim. Como te disse o VIH pode passar da mãe para o bebé durante a gravidez, no parto ou quando a mãe dá de mamar ao bebé. Mas hoje em dia os médicos já sabem como fazer para o evitar.
Colaboração de Isabel Pinto

6 comentários:

sideny disse...

Raul

Que belo virus que aqui esta.

Agora precebo porque nao nos larga
temos de lhe dar umas cacetadas.
esta muito engraçado estes desenhos
e uma maneira simples de explicar aos mais novos como se transmite este virus.

Ja agora pode servir para os mais velhos tambem, para terem mais cuidado.

Gostei deste post.

Mas raul as crianças com 6 anos ja perguntam?
ando mesmo desatualizada.
beijocas

alex disse...

Desenhos engraçadissimos
e para os mais pequenos uma história
lindissima e fácil de entender sem dramatizações de prender a atenção.
muito bom
Viva a prevenção
beijo

Fatyly disse...

Com seis anos já perguntam sim porque é a fase que captam tudo, nomeadamente conversas de adultos ou pela TV. Podem estar a brincar na deles, mas captam, registam e na primeira oportunidade perguntam.

Já imprimi e vou distribuir por algumas pessoas.

Parabéns pela história e banda desenhada, à colaboradora Isabel Pinto e a ti Raul.

Beijocas e adorei

Arnaldo Reis Trindade disse...

gostei da história e com todo respeito acho que deveria esta ser conada aos adolescentes e adultos, tem muita criança de 6 anos entendendo as coisas com mais facilidades do que rapazes e moças da minha idade.

abraço Raul
parabens Isabel pelo texto.

Biby disse...

Olá a todos!
Neste caso a criança que perguntou sobre a Sida deve-se ao facto de eu estar a concluir o mestrado em infecção VIH/SIDA. Ela apanhou uma conversa entre mim e o pai e perguntou o que é que era isso que eu andava a estudar.
Acho que para uma criança pequena não é necessário entrar em muitos pormenores, contudo é importante ensinar-lhe regras básicas de higiene e procedimentos rápidos em situação de emergência (como chamar um adulto ou ligar o 112)não só para a SIDA mas para tudo em geral.

M. disse...

Não posso deixar de aplaudir o texto e a imagem escolhida, o ideal para distribuir como panfleto nas escolas dos mais pequenos por exemplo, como parte da educacão básica. Pelo menos ficarão a saber da existência da sida mesmo que ainda não a compreendam totalmente. Na parte de tocar no sangue dos colegas é importante salientar (para não criar um medo papão sangue = sida) que isso se aplica a várias doenças infecto contagiosas sendo que a sida é a menos provável neste caso. Está provado que o contacto via cutânea mesmo que existam feridas não é fácil ou mesmo nulo. Eu acho importante referi-lo uma vez que a sida foi das doenças que mais estigmatizou, rotulou e criou conceitos errados na mente das pessoas e nem por isso mesmo deixou de aumentar.

Abraço