Justiça em Coma


S. Paulo-Brasil, 6 de Janeiro de 1998 – 18H30
“Quando consegui chegar mais perto, vi Flavia de olhos fechados, imóvel, roxinha. Comecei a repetir para mim mesma:- Não há de ser nada, não há de ser nada...não há de ser nada....”


Mas foi. Os cabelos de Flavia foram sugados pelo ralo da piscina, cujo sistema de sucção estava ligado e era sobre dimensionado para o tamanho da mesma.
Passaram-se mais de 10 anos, e Flavia continua viva em Coma Vigil.
Uma longa batalha judicial está sendo travada, para apurar responsabilidades e para que seja feita justiça. O Coma de Flavia é irreversível segundo os especialistas médicos. O Coma ou a letargia de que a justiça brasileira está doente em relação a este caso, esse pode ter cura se houver boa vontade por parte dos tribunais e daqueles que têm o poder judicial em suas mãos.
A vida de uma criança de dez anos, ficou suspensa naquele dia. Perdeu a escola, os amiguinhos de brincadeira, a sua preparação para a vida e tudo o que de bom a vida humana tem na infância e adolescência. Essa menina desapareceu e não existe mais. Hoje existe uma cidadã, de vinte anos impedida de viver a sua própria vida autonomamente, devido a uma incapacidade causada pela negligência dos homens, (quando ainda era criança) num acidente que poderia e deveria ter sido evitado se houvesse leis e uma fiscalização eficaz no licenciamento de locais de lazer, que supostamente são para as pessoas se divertirem, mas que mais parecem um campo minado onde a cada passo espreita o perigo.
Num estado de direito e democrático, como pensamos que o Brasil seja, na impossibilidade de reparar os danos causados a Flavia, a justiça deveria actuar obrigando os culpados a indemnizar a vítima, para que ela possa ter os cuidados de saúde e a melhor qualidade de vida possível face à incapacidade que sofre. Não o fazendo, está a culpabilizar a vítima e a proteger aqueles que irresponsavelmente colocam no mercado bens de consumo perigosos para o utilizador, e cujo objectivo é o lucro fácil esquecendo-se que a vida de qualquer ser humano é o bem mais precioso que alguém pode ter.
Não vamos esperar um final feliz para este caso, já que isso não é possível devido aos gravosos danos sofridos por Flavia. Vamos esperar sim um fim rápido, e que a justiça no mínimo confira à vida humana a dignidade que ela merece.
Flavia, é apenas um caso entre tantos que aconteceram e continuam a acontecer. Quantas mais crianças terão de morrer ou ficar em coma, para que se encontrem soluções, haja fiscalização e sejam atribuídas responsabilidades aos culpados por estes dramas?

"Quem não castiga o mal ordena que ele se faça."

Leonardo da Vinci

12 comentários:

Paulo disse...

Por Flávia, por sua mãe amiga e dedicada, a nossa participação presente, nesta e em todas as blogagens colectivas, que se decidam fazer.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

Raul
Belissímo texto que diz tudo de forma concreta e objectiva.
Estamos, e estaremos, sempre com Flávia e com essa Mãe/Mulher exemplar na luta, na dedicação e na persistência por uma justiça que se exerça com isenção e... com justiça.

Abraço

sideny disse...

Eu
Quero desejar tudo de bom, a flavia
e a sua valente mae.





que tenha sempre,essa forca para que se faca justica.
abraco

Odele Souza disse...

Raul,

Num texto não muito longo você consegiu fazer colocações fundamentais para a questão da negligência, da in(justiça) e da impunidade.
Gostaria de mais tarde publicar este texto no blog de Flavia.

Um abraço com meu carinho.

R. Rudoisxis disse...

Paulo,Lídia e Sideny
Nunca poderiamos, calar a nossa voz face a um caso como o de Flavia em que a demora da justiça é um atropelo aos direitos humanos.
As palavras de L. da Vince,vestem-se como uma luva se as aplicarmos a este caso.
Infelizmente o poder económico,continua a impedir uma justiça isenta que proteja o comum cidadão.
Acontece em todo o mundo e em relação à causa que defendemos do HIV,tantos e tantos atropelos e injustiças têm sido cometidos.
Continuaremos a lutar, na esperança por um mundo melhor.
Beijos e Abraços.

R. Rudoisxis disse...

Odele
O texto é seu e de todos os bloguistas de boa vontade, que o queiram publicar se o acharem útil para dar a conhecer o caso Flavia e alertarem para os perigos de piscinas e parques aquáticos.
Eu mesmo já o publiquei no Sol Poente.
Um abraço amigo da equipa do "Sidadania"

Brancamar disse...

Olá Raul,

O seu texto está extraordinário, dá uma visão perfeita dos acontecimentos.
Oxalá a voz de todos nós(neste caso esta blogagem colectiva)chegue às altas instâncias do Brasil e ao Supremo Tribunal de Brasília.
Bem haja pela sua generosidade.
Beijinhos
Branca

isabel mendes ferreira disse...

de alma partida.




abraço. por um texto ferido de vida e de coração!!!!!


o mundo é uma porta fechada. tantas e tantas vezes....


raios.


_____________:(

Maria Dias disse...

Olá amigos do sidadania...

Tb participo desta blogagem coletiva do caso Flávia.Acho muito importante, participar e divulgar o caso, pois quem sabe, todos os cidadões(do mundo)se mobilizando, poderemos assim mudar alguma coisa em Brasilia?Quem sabe, este caso abra as portas e caminhos para tantas outras Flávias?Sabemos q existem inúmeros casos de impunidade, mas infelizmente a sociedade se cala ou mesmo se esquece...Temos um blog...Somente um blog, que unidos a tantos outros podem se valer da força da comunicação para chegar as autoridades competentes.Odele tem todo o meu respeito e apoio pelo simples fato de que não desistiu da luta.

Muito bem escrito teu post sobre Flávia amigo Raul.

Um grande abraço

Maria Dias

R. Rudoisxis disse...

Brancamar, Isabel e M. Dias
É algo que dói só de pensar no caso de Flavia.É preciso lutar para que a mortandade de crianças em armadilhas existentes em piscinas e parques aquáticos acabe.
Nós habituados a conviver com a dor diáriamente,e a sofrer tantas injustiças, não poderiamos ficar indiferentes à passividade da justiça em punir severamente casos como este. Obrigado pelos vossos comentários e por também vocês serem solidários.
Um abraço

isabel mendes ferreira disse...

beijo!


apenas.

Nuno de Sousa disse...

Todos juntos vamos levar a palavra "Justiça" tão pedida pela mãe Guerreira, a mãe da Flavia por esse mundo fora e espero em breve que essa justiça venha ter com elas.
Um grande abraço
Nuno